CONSUMO INFANTIL: VOCÊ LIMITA OU INCENTIVA?

O meu filho de cinco anos adora revistinhas e se acostumou a ganhar uma nova  todo fim de semana. Sempre que ia à banca comprar jornal, o meu marido trazia uma edição diferente para Pedro. Considerávamos importante incentivar o interesse dele por esse tipo de material. Mas de um tempo para cá, observamos que Pedro não brincava mais com as revistinhas e nem queria pintar os personagens. Ele desejava, apenas, ter uma nova edição. Foi aí que deixamos de trazer o “agrado” frequentemente e explicamos o motivo. No começo, ele reclamou. Mas hoje, nem pergunta mais pelo "presente" de fim de semana. Exemplo que serve para ilustrar a relação da criança com o consumo.

 

consumo infantil

 

Nem sempre precisamos dar grandes presentes para incentivar a criança a consumir. Também fazemos isso com pequenas ações diárias que, muitas vezes, nem percebemos. É o caso da tradicional balinha ou chocolate, que passam a ser mimos constantes em determinadas situações. Isso significa ter que parar de agradar os pequenos? De forma alguma. Esse é só um alerta para a frequência com que isso acontece, um freio ao excesso.

 

ALVO DAS PROPAGANDAS

 

consumo infantil

 

Os adultos precisam ficar vigilantes, principalmente, porque a forma de abordagem mudou. Antes, as propagandas de produtos infantis focavam nas mães. Hoje, o alvo é a própria criança. Assim, a indústria do marketing descobriu que o mercado infantil pode faturar cada vez mais vendendo de alimentos a brinquedos. O apelo chega via tecnologia, acessível cada vez mais cedo. Entre as consequências estão o excesso de consumo e a baixa qualidade de conteúdo.

 

EFEITO RÁPIDO

 

consumo intantil

 

Segundo pesquisas, bastam 30 segundos para uma marca influenciar uma criança. Até os cinco anos de idade, ela não tem discernimento para diferenciar propaganda e programa de TV. Além disso, as crianças também influenciam nas compras dos pais como carro, casa e etc. Por tudo isso, nós, adultos, precisamos estar cada vez mais atentos aos nossos próprios hábitos. Afinal, servimos de exemplo para os filhos.

 

CONSUMO INFANTIL CONSCIENTE

 

consumo infantil

 

A boa notícia é que é possível estimular o consumo consciente. Podemos, por exemplo:

 

 

  • Ensinar a criança a abrir mão de algo ao comprar um novo produto semelhante. Assim, ela aprende a ter senso crítico e a priorizar;

 

  • Antes de ir à loja, faça acordos com as crianças sobre o que pode ou não comprar;

 

  • Em casa evite colocar aparelhos de TV ou computador no quarto das crianças e limite o número de horas na internet. Dessa forma, ela será menos exposta à propaganda;

 

  • De forma geral, a família deve ser filtro entre a criança e o consumo, assumindo com responsabilidade o papel de educar. Por isso, uma boa sugestão é iniciar a Educação Financeira Infantil o quanto antes. 

 

Abaixo, confira outras dicas de uma psicóloga infantil sobre esse tema. 

Receba o nosso boletim

Ad
Ad